“Ele não poderia ficar feliz com meu sucesso?”, questiona Roma em provocação a ACM Neto

Passado um ano desde o rompimento com o pré-candidato ao Governo da Bahia, ACM Neto (UB), o ex-ministro da Cidadania, João Roma (PL), demonstra que a mágoa não foi superada. “Foi algo profundo e contundente do ponto de vista pessoal. Era uma amizade de mais de 20 anos. Ele é meu compadre”, diz Roma para em seguida trazer os bastidores do rompimento pessoal e profissional com o seu padrinho político. “Muito feliz, fui comentar com ele a possibilidade de um convite para ser ministro de Jair Bolsonaro. Tem coisa que um amigo não pede para o outro. O grau de dedicação a qualquer ser humano tem limite. Ele achava que não ia ser bom [ser ministro de Bolsonaro] porque ele iria ficar com imagem ruim na mídia, dada a nossa vinculação. Para ele, isso poderia prejudicá-lo porque Bolsonaro tinha uma grande rejeição, o que poderia ser ruim nas próximas eleições”, desabafou Roma em conversa com Zé Eduardo, durante live do comunicador no Instagram. Agora, Roma tenta voo solo. É pré-candidato a Governo da Bahia com o apoio do presidente Jair Bolsonaro, pelo Partido Liberal. Hoje, para diluir a vinculação com seu criador, faz críticas fortes a ACM Neto, não apenas ao petismo. “Ele deixou muito claro que se eu aceitasse [ser ministro], ele iria romper comigo e eu teria que arcar com as consequências. O que me fez sofrer muito, me deixou muito triste. Acho que tem que ter consideração de um lado e do outro. Eu passei 20 anos me dedicando totalmente ao projeto dele, quando surge uma oportunidade de ascender na carreira a que eu me dedico com muita vocação, ele não poderia ficar feliz com o meu sucesso? É aí que se percebe o valor de uma amizade”, afirma Roma. Segundo ele, que reassumiu o mandato como deputado federal, após o rompimento, muitos amigos comuns o procuraram para revelar pressão por parte do entorno de Neto. “Muitos disseram [que a] ‘caça às bruxas’ está aí, não posso nem curtir mensagens suas porque posso receber sanções”, revelou. Hoje, Roma diz se considerar um sobrevivente e vitorioso. “Fiz tanto em tão pouco [como ministro]”.(Muita Informação)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.