Vida longa: Idosa faz aniversário de 120 anos e família sonha com recorde no Maranhão

A longevidade de Isabel Alves de Carvalho é celebrada por familiares e moradores da cidade de Bacabal (MA), a 252 km de São Luís. No último domingo (15), dona Belinha, como é conhecida, completou 120 anos de vida. A idosa, apontam os documentos, nasceu no início do século passado, em 15 de agosto de 1901. Segundo os amigos, a fé foi a responsável por garantir que ela alcançasse a marca impressionante. Os amigos e os familiares de Isabel organizaram a festa de aniversário, que, segundo eles, já é tradição. A idade avançada não impede dona Belinha de curtir o que ela mais gosta nessas ocasiões: o bolo. “Ela gosta de festa. Só procurava pelo bolo. Adora bolo.

Atualmente, ela se alimenta mais com sopa e mingual. Mas adora um cafezinho com pão, um bolo”, conta a tutora da idosa, Maria Reis. Dona Belinha peregrina pelo Maranhão desde cedo: nasceu em Coelho Neto, foi registrada em Caxias e foi morar em Coroata, onde se casou e teve uma filha, que morreu logo ao nascer. Então, decidiu se mudar para Bacabal, onde chegou a criar dois filhos adotivos. “Quando ela veio para Bacabal, trabalhou muito tempo no mercado central vendendo comida. Depois que teve um problema, parou de trabalhar, pois ficou cega. Eu ajudo a cuidar dela desde que cheguei na cidade, há 29 anos. O marido dela morreu há muito tempo. Nem cheguei a conhecer”, explicou Maria. A tutora explica que Isabel nunca consumiu bebidas alcoólicas e nem fumou. A dedicação à igreja evangélica, da qual virou fiel há 50 anos, ainda se manifesta diariamente. “Ela faz as orações antes das refeições. É privilégio ter uma pessoa com toda essa experiência de vida perto de você. Nos passa várias lições. Aprendi a ser mais amável só a observando”, disse a cuidadora.

Guinness Book

Segundo o “Livro dos recordes”, o Guinness Book, uma japonesa que nasceu em 1903 como a mulher mais velha do mundo. Kane Tanaka tem 118 anos e foi reconhecida em 2019.

Ela, inclusive, voltou às manchetes porque quebraria o recorde de mais antiga pessoa a participar do revezamento da tocha olímpica, nos jogos de Tóquio deste ano, mas desistiu, por medo da covid-19. A família de Dona Belinha diz que até tentou reivindicar o título, mas esbarrou na falta de conhecimento sobre os procedimentos necessários. “Nunca nos procuraram, do livro. A gente que pensou em procurá-los. Até juntamos uns documentos, mas não conseguimos dar continuidade”, explica um dos filhos adotivos, Edilson de Carvalho. Mais do que um recorde, explica Edilson, ela precisa é de ajuda médica. Dona Belinha já não anda e nem escuta direito. O filho pede por um atendimento especializado para ajudá-la com a audição. “Quem sabe uma consulta com especialista para depois ver um aparelho? Porque ela está cada vez mais ouvindo menos. Temos que falar bem pertinho do ouvido dela”, contou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *