Bahia detecta três casos da variante indiana da Covid-19 e um da sul-africana e propõe antecipação de 3ª dose da vacina em 281 municípios

O Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen-BA) detectou nesta quinta-feira (26), por meio de sequenciamento genético, três amostras da variante indiana da Covid-19 (Delta) e uma sul-africana (Beta) no estado. e acordo com a secretária estadual da Saúde em exercício, Tereza Paim, dois tripulantes de um navio com bandeira estrangeira testaram positivo para a variante Delta e Beta, porém, neste caso, a embarcação estava em isolamento, impossibilitando contactantes. Já as duas outras amostras foram detectadas em pacientes residentes nos municípios de Vereda, no extremo sul da Bahia, e Feira de Santana. Como medida de contenção, a Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) fará ainda o rastreamento por meio de teste de antígeno e RT-PCR nas regiões onde foram detectadas as variantes. Todos os pacientes internados nas UTIs com Covid-19 terão amostras colhidas e sequenciadas para identificação do tipo da variante. O governador Rui Costa se reuniu com técnicos da Sesab e propôs o início imediato da terceira dose em todos os municípios que já alcançaram a faixa etária de 18 anos. Tereza Paim detalhou que 281 municípios se enquadram nesta característica, sendo que a imunização deverá ser feita, preferencialmente, com uma dose da Pfizer, ou de maneira alternativa, com a vacina de vetor viral da Janssen ou da AstraZeneca. A dose de reforço está estimada para um público superior a 950 mil baianos e a ação será destinada a todos os indivíduos imunossuprimidos após 28 dias da segunda dose e para pessoas acima de 70 anos vacinadas há 6 meses. A medida será pauta da reunião da Comissão Intergestores Bipartite (CIB) – instância deliberativa do SUS que reúne representantes dos 417 municípios baianos -, prevista para esta sexta-feira (27). “É preciso que os municípios acelerem a vacinação para impedir o avanço de novas cepas, bem como [a população] manter o distanciamento social, higienizar frequentemente as mãos e continuar usando máscara”, ressalta Tereza Paim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *