Em um mês, país registrou 1,4 milhão de pessoas a mais na fila do desemprego, diz IBGE

O Brasil encerrou a primeira semana de junho com 11,2 milhões de desempregados, 1,4 milhão a mais que na primeira semana de maio. É o que apontam os dados divulgados nesta sexta-feira (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o levantamento, feito entre os dias 31 de maio e 6 de junho, em apenas uma semana o desemprego no Brasil aumentou em cerca de 300 mil pessoas. Na semana anterior à pesquisa, o número de desempregados somava, aproximadamente, 10,9 milhões de pessoas. O levantamento foi feito por meio da Pnad Covid19, versão da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua realizada com apoio do Ministério da Saúde para identificar os impactos da pandemia no mercado de trabalho e para quantificar as pessoas com sintomas associados à síndrome gripal no Brasil – a pesquisa não é comparável à Pnad Contínua, divulgada mensalmente também pelo IBGE e qua aponta os dados oficiais de desemprego do país.Apesar de também avaliar o mercado de trabalho, a Pnad Covid19 não é comparável aos dados da Pnad Contínua, que é usada como indicador oficial do desemprego no país devido às características metodológicas, que são distintas. Na última divulgação, a Pnad Contínua mostrou que, em abril, chegava a 12,8 milhões o número de desempregados no país. Os dados de maio serão divulgados no dia 30 de junho. Segundo o IBGE, 83,7 milhões de brasileiros estavam ocupados na semana de referência da pesquisa. Destes, 8,9 milhões estavam trabalhando remotamente, o que corresponde a 13,2% da população ocupada. Na comparação com a semana anterior, aumentou em cerca de 100 mil o número de trabalhadores em home office ou teletrabalho. Já na comparação com a primeira semana de maio, esse contingente aumentou em, aproximadamente, 300 mil pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *