Estudante cria armadura capaz de proteger pacientes com câncer da radiação da quimioterapia


A estudante australiana, Macinley Butson, hoje com 18 anos, tinha apenas 16 quando decidiu criar uma espécie de armadura para proteger mulheres expostas à radiação durante o tratamento de quimioterapia do câncer de mama. Ela criou esse protetor cobre de alta densidade, batizada de SMART Armour, para o tratamento. Quando a armadura foi testada em laboratório, a invenção de Butson chegou a reduzir em 75% a exposição da superfície ao excesso de radiação. A tal proteção pode ser usada durante as sessões para deixar exposta à radiação apenas a mama atingida pelo tumor. Macinley Butson, de 18 anos, afirmou em entrevista que a sua invenção pretende ajudar o maior número de pessoas possível e que não está interessada em ganhar dinheiro algum a partir disso. Pela projeto, Macinley foi premiada por diversas entidades da Austrália. Em 2016, a jovem conquistou o primeiro lugar na Feira Internacional de Ciência e Engenharia da INTEL. A jovem se inspira sempre no pai e o irmão, já que ambos também trabalham em física médica. Por isso, Macinley sempre foi fascinada pela ciência, mas só começou a investigar os efeitos colaterais nocivos da radioterapia depois que seu pai discutiu sua experiência com tratamentos ineficazes contra o câncer por conta própria. Ela também perdeu um parente, vítima de câncer de mama e assim acabou decidindo por seguir a própria pesquisa. Com a dificuldade para compreender publicações científicas, ela foi buscar até no YouTube vídeos que ensinavam a ler revistas científicas. Foi lá que ela descobriu que o cobre é muito mais eficaz para proteger a pele da radiação do que o chumbo. A segunda parte da ideia da jovem de Wollongong, Nova Gales do Sul, veio quando assistia a um filme sobre guerras medievais, na aula de história. Quando viu os padrões de escala da armadura, ela se inspirou a criar um escudo protetor de cobre totalmente portátil.