Primeiras doses da vacina da Pfizer devem ser distribuídas na 1ª quinzena de maio

O Ministério da Saúde prevê que as primeiras doses da vacina da Pfizer contra a Covid-19 sejam distribuídas aos estados na primeira quinzena de maio e comecem a ser aplicadas nas capitais. O imunizante em desenvolvimento pela americana Pfizer em parceria com a empresa alemã BioNTech precisa ser armazenado em uma temperatura de -70ºC, mas as vacinas serão entregues às centrais estaduais numa faixa de temperatura de -25°C a -15°C. Isso será possível após a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovar as novas temperaturas de armazenamento. “Os planejamentos iniciais, dada a pequena quantidade de doses a receber, orientam a priorização da vacinação em restritas unidades de saúde da capital das 27 unidades da federação”, diz informe técnico do Ministério da Saúde. O governo vai receber 1.000.350 doses, e a distribuição será feita aos estados em duas etapas por conta das especificidades de armazenamento. A vacina da Pfizer é aplicada em duas doses com intervalo de 21 dias. O governo brasileiro está negociando com a Pfizer a compra de mais de 100 milhões de doses até o final deste ano, totalizando 200 milhões de unidades da farmacêutica. O anúncio foi feito pelo ministro das Comunicações, Fábio Faria, em rede social, e foi confirmado pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. O Ministério da Saúde começou a distribuir nesta quinta-feira (22) um novo lote com 3,5 milhões de doses de vacinas da Fiocruz e do Instituto Butantan. Até o momento, contando com esse novo lote, já foram destinados a todas as unidades da federação mais de 57,3 milhões de doses de imunizantes. As doses são destinadas para a vacinação de pessoas dos grupos de risco –profissionais da saúde, pessoas entre 60 e 69 anos e agentes das forças de segurança e salvamento e Forças Armadas que atuam na linha de frente do combate à pandemia. Nesta leva, parte das vacinas é destinada para a primeira dose e a outra parcela para a segunda aplicação. “O objetivo é garantir a cobertura do esquema vacinal no tempo recomendado de cada imunizante: quatro semanas para a vacina do Butantan e 12 semanas para as doses da Fiocruz. A estratégia de distribuição para aplicação da primeira e segunda doses é revisada semanalmente em reuniões tripartites, observando as confirmações do cronograma de entregas por parte dos laboratórios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *