“Posso conversar com Wagner sobre a educação e a segurança na Bahia”, diz Félix Mendonça Júnior

01/02/2022 06:14 •
Warning: Undefined variable $post in /home/wwavoz/public_html/wp-content/themes/avozdocampo/functions.php on line 17

Warning: Attempt to read property "ID" on null in /home/wwavoz/public_html/wp-content/themes/avozdocampo/functions.php on line 17
2m de leitura

Presidente do PDT na Bahia, o deputado federal Félix Mendonça Júnior disse hoje (31) que, se for procurado, está disposto a conversar com o senador Jaques Wagner, pré-candidato do PT ao governo estadual. Na semana passada, em entrevistas à imprensa, o petista disse que quer dialogar com o PDT sobre as eleições deste ano. “Wagner, posso tratar sobre o futuro da educação da Bahia, sobre a segurança pública, sobre a ponte Salvador-Itaparica e em que pé ela está ou sobre o ICMS dos combustíveis”, respondeu o pedetista. Em entrevista à Rádio Sociedade, Félix ressaltou que nunca foi procurado por Wagner para conversar. “Ele pode ter procurado outros quadros do PDT, como os deputados estaduais ou a nacional, mas a mim nunca chegou nada. Se ele tivesse me procurado, eu teria conversado, sim. Foi PT que não queria saber da gente e, agora, quando precisa, quer que a gente vá sem ao menos procurar? Não tenho aversão à conversa”. O deputado declarou que o PT teve “ciúmes” quando o PDT decidiu apoiar Bruno Reis (DEM) nas eleições municipais em Salvador, em 2020. “O PT queria que a gente baixasse a cabeça e seguisse fielmente as orientações do governo para apoiar a candidata deles, que não tinha expressão política, com todo respeito a ela. Salvador não merecia isso. Como não fizemos isso, tiraram o espaço que a gente tinha no governo. Mas não fazemos política por espaço, nem para lucrar nada, como o senador chegou a dizer que deveríamos fazer”. Félix reafirmou as conversas do PDT com o pré-candidato do DEM ao governo, ACM Neto. Mas ressaltou que ainda não há acordo fechado. “Quando fecharmos um apoio, vamos colocar a educação como compromisso número um numa plataforma de governo. Não podemos aceitar que a Bahia continue nas últimas colocações na qualidade do ensino público. Temos que seguir o exemplo do Ceará”.

Leia também