Prefeitura do Rio sugere que idosos e pessoas com comorbidades voltem a usar máscara

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), recomendou que idosos, estudantes e pessoas com comorbidades ou sintomas de gripe voltem a usar máscara para evitar a contaminação pelo coronavírus. Ele descartou retomar a proteção de forma obrigatória em ambientes abertos e fechados. O comunicado foi feito na tarde desta quinta-feira (2), durante uma reunião no Centro de Operações da prefeitura, com Paes e o superintendente de vigilância em saúde, Márcio Garcia, e do secretário municipal de Saúde, Rodrigo Prado. Desde o dia 7 de março, passou a ser facultativo o uso de máscara em metrô, ônibus e ambientes fechados na cidade do Rio. No estado, deixou de ser obrigatório estar com a proteção cinco dias antes. A prefeitura também anunciou a campanha “Dia D” de vacinação contra Covid-19 e demais síndromes gripais, no sábado (4), em mais de 450 pontos de vacinação em todas as regiões do Rio. Paes disse que, apesar da percepção superficial de que os casos estão aumentando entre amigos, familiares e conhecidos entre a população, o atendimento nas unidades de saúde se mantém estável e os casos de síndrome gripal são leves e estão sob controle: “Nas últimas semanas, temos notado o aumento de casos no nosso entorno. Nesses últimos meses, nós tivemos uma janela de síndromes gripais, que representam a maior parte do contágio. No entanto, conforme os dados de testagem, as unidades de saúde, farmácia e postos de saúde, não há o aumento do registro de casos de Covid-19. Por isso, avaliamos que não há necessidade de alterarmos as medidas restritivas”, disse o prefeito. Paes, no entanto, fez um alerta para que pessoas que têm comorbidades ou apresentem sintomas da doença, como coriza, dores de cabeça, dor no peito e inflamações, utilizem a máscara e façam o teste. O prefeito disse ainda aguardar a liberação do governo estadual para liberar a segunda dose de reforço para os cidadãos de faixa etária acima dos 50 anos: “Nós fizemos uma ótima campanha de dose de reforço para quem tem mais de 60 anos, mais de 51% foi vacinada, então estamos em outro momento da pandemia, um momento mais brando de contaminação, e tudo isso por causa da vacina. Vamos aguardar a autorização para liberar mais doses”, concluiu Paes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.