Caso Dr. Andrade: Defesa pede que médico acusado de matar colega responda por homicídio culposo

A defesa do médico Geraldo Freitas de Carvalho Júnior, acusado de matar o médico Andrade Lopes Santana, de 32 anos, no dia 24 de maio apresentou a tese de homicídio culposo, quando não há intenção de matar, destacando que réu e vítima eram amigos e que o tiro disparado foi acidental, durante uma discussão por causa de mensagens de celular, no momento em que os dois estavam em uma moto aquática. O depoimento aconteceu na última sexta-feira (26) e durou mais de 10 horas (veja aqui).

Foto: Divulgação

De acordo com a defesa, Andrade estava conduzindo o veículo no rio quando deu uma cabeçada para trás. Reação que, segundo a defesa, teria ocasionado o disparo acidental da arma que estava na mão de Geraldo, e que por ser uma arma de competição, dispara com um simples toque no gatilho. “Hoje, pela primeira vez, o réu teve a oportunidade de contar a versão dos fatos. Desde o início lá na polícia, ele já afirmou que eles eram amigos e não tinha nenhum motivo para assassinar o amigo. Na verdade houve sim a discussão, mas o disparo foi acidental. A defesa espera que no momento oportuno possa provar, não que ele é inocente, porque Geraldo cometeu um erro e se arrepende muito, e hoje aqui olhando nos olhos da juíza, do promotor, ele disse que está arrependido do que fez. Mas o disparo não foi intencional (…).Tudo ocorreu em cima de uma moto aquática e Andrade pilotava a pedido dele mesmo. Estavam andando, pararam o Jet pra poder conversar sobre as mensagens e infelizmente, Andrade estava de costas, no momento em que ele dá a cabeçada para trás, porque se assustou com a arma, o tiro pegou na nuca, mas poderia ter sido no ombro, de raspão, ou ter errado, mas infelizmente acertou na nuca”, afirmou o advogado Eustáquio Neto.

Foto: Aldo Matos/Acorda Cidade | Réu e advogados

Âncora amarrada ao corpo e queixa na delegacia

Sobre a âncora encontrada junto ao corpo da vítima, o advogado afirmou que o equipamento foi usado, não para que o corpo afundasse no rio, mas sim para tentar retirá-lo da água. O advogado destacou que o réu cometeu uma sucessão de erros, após o disparo, por desespero e medo. Geraldo chegou até mesmo a registrar a queixa do desaparecimento do colega na delegacia e receber a família do médico.

Foto: Acorda Cidade

“Geraldo cometeu uma série de erros. O primeiro e, ele disse hoje aqui, foi estar com aquela arma de fogo naquele momento e ter tentando intimidar o amigo a entregar o celular, e se ele não estivesse com essa arma esta tragédia com certeza não teria acontecido. Por que ele não contou à polícia? Por medo, por desespero, Geraldo é réu primário, é um jovem de 32 anos, então naquele momento ele entrou em pânico, em desespero, acabou não contando pra ninguém. Tanto é que os advogados, que também são tios, só ficaram sabendo dos fatos chegando aqui em Feira de Santana. Geraldo errou, ele disse: ‘eu fui covarde, não em ter atirado no amigo pelas costas como disse a polícia, como disse a imprensa, mas por não ter tido a coragem de imediatamente ir a delegacia e ter falado que houve um acidente, que foi um disparo acidental, que era o certo’. Mas por desespero, por medo, ele cometeu uma série de outros erros, que foi ter ido à delegacia registrar a queixa, ter encontrado a família. Ele disse aqui que a todo o momento ele pensava em dizer a verdade, mas como ele nunca tinha passado por uma situação dessa, o medo tomou conta”, relatou.

Dívida de compra de arma, crime passional e mensagens

O advogado Eustáquio Neto também alegou que o crime não teve como motivação uma dívida por parte da vítima, nem mesmo por causas passionais. “A arma foi vendida por 12 mil reais e Andrade já tinha pagado três parcelas. A arma em si não tem nada a ver com o fato, já que Geraldo e todas as testemunhas disseram hoje que Geraldo e Andrade eram amigos. Não tinha nenhum motivo pra tirar a vida de Andrade. Infelizmente o erro dele foi obrigar o colega a entregar o celular que tinha umas mensagens que ele tinha acabado de descobrir e infelizmente, Andrade que não teve culpa, teve uma reação de se curvar e deu uma cabeçada para trás, e ele acabou caindo do Jet e a arma disparou. Lembrando que a arma de Geraldo era preparada para competição, tinha o gatilho aliviado, isso foi explicado, a um simples toque do dedo ela dispara, e infelizmente essa tragédia aconteceu”, afirmou o advogado. Segundo a defesa, as mensagens que teriam motivado a discussão estavam relacionadas a um desafeto de Geraldo Júnior. “Não teve nada a ver com crime passional. A juíza fez questão de perguntar se havia alguma desconfiança por parte de Geraldo com Andrade, com a namorada. Andrade era uma pessoa íntegra também, jamais sequer deu em cima da mulher de alguém. O crime não foi passional, na verdade as mensagens estavam relacionadas a um desafeto de Júnior, que Junior acabara de pegar as mensagens no celular, deles conversando sobre supostamente um plano para pegar Júnior, mas não teve nada a ver com crime passional. Geraldo confessou que foi ele que estava com Andrade, foi ele que efetuou o disparo, mas também esclareceu que ele não teve a intenção, foi um disparo acidental. Desta forma, a defesa sequer pede a absolvição de Geraldo, a defesa pede para que ele responda e pague pelo crime exato que ele cometeu: homicídio culposo, quando não há intenção de matar (…). A defesa de Geraldo que também é da família dele, lamenta muito e tem muito respeito pela família e Andrade”, concluiu. Durante interrogatório à Polícia Civil no dia em que foi preso, o réu disse que teve sonhos premonitórios e afirmou que o disparo foi acidental.(Acorda Cidade)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.