Brasil perdeu 15% dos seus recursos hídricos nos últimos 30 anos; perda é de quase o dobro da superfície de água de todo o Nordeste

O Brasil perdeu 15,7% de superfície de água nos últimos 30 anos, o equivalente a 3,1 milhões de hectares de superfície hídrica, revela um levantamento inédito do MapBiomas, uma iniciativa que reúne cientistas e ambientalistas para mapear o país. O levantamento mostra que em 1991 a superfície hídrica do país era de 19 milhões de hectares. Em 2020, essa área foi reduzida para 16,6 milhões de hectares, uma redução equivalente a mais de uma vez e meia a superfície de água de toda região Nordeste em 2020. As maiores reduções da superfície da água encontram-se próximos a fronteiras agrícolas, o que sugere que o aumento do consumo, construção de pequenas represas em fazendas, que provoca assoreamento e fragmentação da rede de drenagem e que vem junto com o desmatamento e aumento de temperatura, são fatores que podem explicar as da diminuição da superfície da água no Brasil. É o caso, de acordo com o documento, do Rio Negro, na Amazônia, que perdeu 22% da sua superfície desde os anos 90; e do Rio São Francisco, que corre por áreas de Cerrado e Caatinga, que perdeu 10% em sua superfície nos últimos quinze anos, ambos por causa da expansão da fronteira agrícola. A construção de grandes obras com impactos ambientais nas últimas décadas também ajudam a explicar a perda hídrica ocorrida no período, segundo o pesquisador Carlos Souza, coordenador do grupo de trabalho de Água do MapBiomas. “Mudanças no uso e cobertura da terra, construção de barragens e de hidrelétricas, poluição e uso excessivo dos recursos hídricos para a produção de bens e serviços alteraram a qualidade e disponibilidade da água em todos os biomas brasileiros. Ao mesmo tempo, secas extremas e inundações associadas às mudanças climáticas aumentaram a pressão sobre os corpos hídricos e ecossistemas aquáticos” – Carlos Souza, do MapBiomas. Os recursos hídricos de todos os biomas – Pantanal, Cerrado, Caatinga, Pampa e Amazônia – foram afetados por construções de barragens e hidrelétricas. “A perda da superfície de água natural por causa da água armazenada em estruturas construídas pelo homem tem consequências preocupantes na alteração do regime hídrico, afetando a biodiversidade e a dinâmica dos rios”, alerta o documento. (G1).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *