Contra o retorno, APLB volta a falar em aulas presenciais como ‘corredor da morte’

O retorno das aulas no modelo semipresencial, marcado para esta segunda-feira (26), na rede estadual de ensino registrou baixa adesão de alunos e professores. Segundo o presidente da Associação dos Professores Licenciados do Brasil – Secção da Bahia (APLB-BA), Rui Oliveira, 95% dos estudantes não compareceram às aulas. “Estamos organizando a categoria para dizer que a luta vai continuar. Agradecer aos pais e mães que não mandaram seus filhos para o corredor da morte, que é exatamente aulas presenciais. Com a participação da Delta, uma variante de nova transmissão”, disse Rui. O sindicato defende que o retorno das aulas presencias seja feito apenas quando toda a categoria estiver vacinada com as duas doses da vacina contra a Covid-19. Diante da tentativa frustrada de um retorno, Rui Oliveira também sinaliza que uma nova reunião entre a APLB e os secretários Luiz Caetano e Jerônimo Rodrigues será realizada nesta quarta-feira (28), às 8h30. Para ele, a expectativa é que o governo do estado adote a mesma postura da prefeitura de Salvador, que aceitou imunizar todos os profissionais da educação antes de retomar as aulas presenciais. Sobre a possibilidade de ter o salário cortado, caso o professor não compareça às aulas, o presidente da APLB disse a “malvadeza já acabou”. “Se você quiser dialogar em tom de ameaça você vai radicalizar, eu acredito que isso não vai prevalecer. Cortar ponto é uma coisa, descontar é outra. A malvadeza já acabou na Bahia”, disse Rui em referência a uma possível retaliação por parte do governo estadual.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *