MP-BA cria grupo para monitorar investigação da morte de soldado no Farol da Barra

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) designou três promotores para acompanhar a investigação sobre a morte do soldado Wesley Soares Goés, que morreu neste domingo (28) após sofrer um “surto” no Farol da Barra, atirar contra militares e ser baleado de volta. Eles deverão adotar “as providências que se fizerem necessárias à elucidação dos fatos”. De acordo com a portaria publicada no Diário de Justiça Eletrônico desta terça-feira (30), os designados pela procuradora-geral de Justiça da Bahia, Norma Cavalcanti, foram a promotora Ana Rita Cerqueira Nascimento, titular da 4ª Promotoria de Justiça do Tribunal do Júri, o promotor Maurício Cerqueira Lima, titular da Promotoria de Justiça e Militar, e o promotor Luciano Santana Borges, titular da Promotoria de Justiça de Controle Externo da Atividade Policial, Defesa Social e Tutela Difusa da Segurança Pública. MORTE DE SOLDADO O soldado Wesley Goés, lotado na 72ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Ilhéus), chegou ao Farol da Barra armado com um fuzil, na tarde de domingo. Com o rosto pintado de verde e amarelo – cores da bandeira do Brasil -, ele disparou tiros para cima. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), agentes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) isolaram a área e passaram cerca de 3h30 tentando negociar com ele até que o PM atirou contra a guarnição e foi baleado de volta. O comandante-geral da corporação, coronel Paulo Coutinho, declarou em coletiva de imprensa nesta segunda (29) que Góes foi atingido na perna e no braço e que os tiros disparados contra ele foram “gerenciamento de crise”. O soldado chegou a ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas veio a óbito na unidade de saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *