Artigo: Pandemia, Sexo, Drogas e Bagaceira

Polícia prende 60 pessoas que participavam de uma festa de swing, diz uma notícia. Outra revista eletrônica revela: Com casas de swing fechadas, suruba rola solta no parque da cidade. Preciso logo informar, antes de tudo, que nem mesmo meu Windows aceitou tranquilamente o uso da palavra suruba nesse texto, indicando polidamente outros termos mais suaves. Porém nada de suave existe nessa realidade. Tenho me perguntado para onde caminha a humanidade, quando o sofrimento alheio já não incomoda, as regras sociais são pisadas e o importante é o prazer individual que se pode conseguir. Controlar os instintos é característica exclusivamente humana. Cachorros andam atrás de sexo e comida como se não houvesse o amanhã. Mas por onde será que o ser humano anda nesse processo “evolutivo”? A julgar pelas notícias que se repetem não só no Brasil, percebemos como o bicho gente parece cada vez mais hedonista e egocêntrico. Enquanto tantos morrem ou são intubados, outros festejam e parecem nem se preocupar com as próprias mães que possam ser idosas, que dirá com as mães e pessoas dos outros. Assim toda a sociedade é penalizada, o comércio sofre, por que a consciência humana tem se tornado raquítica. Claro que existem pessoas corretas e preocupadas com o próximo, mas isso tem se transformado cada vez mais em artigo de luxo. A falta de sentido na existência humana tem se apresentado em forma de loucura pelo sexo, dependências químicas, paixão por compras, vício em curtidas e seguidores, compulsão alimentar, dentre outros desequilíbrios que tem aproximado as pessoas mais de máquinas automáticas sem sentimentos do que com gente que ama e pensa. Sexo é massa! Mas quando aquilo que é mais animal vai dominando a capacidade de reflexão, a consciência será cada vez menos utilizada e a barbárie tomará conta, como já temos visto muitas vezes pelo mundo a fora. Se a amarga pandemia não está sendo suficiente para gerar essa consciência em muitos, o que terá de vir pela frente para tentar abrir os olhos cegos? Sei que isso soa como uma compreensão espiritual, mas o que não é espiritual nessa vida? É hora de refletir urgentemente.

Alec Saramago – Psicólogo, palestrante e escritor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *