2 milhões já foram vacinados contra Covid no mundo; Veja os países

Enquanto a gente espera aqui no Brasil, mais de 2,3 milhões já receberam o presente de Natal antecipado e foram vacinados contra a Covid-19 no mundo, até esta terça, 22. Seis países agiram rápido, saíram na frente e conseguiram comprar – ou produzir – a vacina antes dos outros e estão imunizando suas populações, para evitar novos doentes e mortos. São eles: Reino Unido, Estados Unidos, Canadá, Israel, China e Rússia, que aprovaram as doses dos imunizantes para uso emergencial ou definitivo. O portal Our World in Data – veja aqui – mostra online como está a vacinação no planeta.

Vacinas x países

China e Rússia usam vacinas próprias, autorizadas pelos governos dos dois países. A Rússia aplica a Sputnik V, com imunizantes criados pelo Instituto Vector e pelo Instituto Gamaleya. A China tem três vacinas diferentes: a Sinopharm, a CanSino e Sinovac, que no Brasil está sendo produzida em parceira do Instituto Butantan, em São Paulo. Nenhuma das vacinas da China concluiu ainda a terceira fase estudos de segurança e eficácia, exigida para a aprovação por órgãos reguladores de outros países. Reino Unido, EUA, Israel e Canadá estão vacinando a população com a vacina da Pfizer/BioNTech. E os EUA também aprovaram e distribuíram a vacina da americana Moderna, ou seja, o país está vacinando a população com dois imunizantes diferentes.

Vacina de Oxford

O mundo aguarda agora a vacina de Oxford, que durante a primeira onda da pandemia apareceu como a alternativa mais promissora, porém, até hoje ela não foi aprovada por nenhum órgão regulador do mundo. A ponto de o Reino Unido, onde foi criada, estar aplicando a vacina norte-americana na Pfizer. Apesar de ter sido 1ª a ter estudo da fase 3 de testes publicado em revista científica e de apresentar eficácia de 62 a 90 %, a vacina de Oxford e da farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca ainda precisa ser aprovada pelos órgãos reguladores: no Reino Unido, a Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA, na sigla em inglês) e a Anvisa, aqui no Brasil. A Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca já negociaram mais de 2 bilhões de doses com diversos países.

Brasil

No Brasil a vacina de Oxford deverá ser fabricada em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Mas por enquanto, o imunizante inglês não foi aprovado por nenhum órgão regulador do mundo. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou nesta terça, 22, que começará a entregar a vacina de Oxford ao Ministério da Saúde a partir do dia 8 de fevereiro. Palavra do presidente do instituto, Nísia Trindade, durante uma audiência sobre o combate à Covid-19 realizada pela Comissão Externa da Câmara dos Deputados. No contrato firmado pelo governo federal, o Brasil receberá o chamado “ingrediente farmacêutico ativo” (IFA) para processamento e envase das doses na fábrica de vacinas Bio-Manguinhos, da Fiocruz. A previsão da Fiocruz derruba ao menos parte do cronograma anunciado pelo ministro Eduardo Pazuello no dia 17. O ministro previa a entrega de 24,7 milhões de doses ainda em janeiro, sendo 15 milhões delas da vacina de Oxford.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *