Operação do MP cumpre mandados de prisão temporária contra policiais suspeitos de fazerem parte de milícia na Bahia

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) cumpre, nesta quinta-feira (29), seis mandados de prisão temporária e de busca e apreensão contra policiais suspeitos de cometerem crimes de homicídio, tráfico de drogas, organização criminosa, além de outros delitos típicos de atividade de milícia, como tortura e extorsão. A ações acontecem nas cidades de Paulo Afonso, Feira de Santana, Salvador, na Bahia, e em Petrolina, em Pernambuco. Um dos alvos da ação é um um tenente-coronel que atua em Paulo Afonso. Os nomes dos PMs alvos da ação não foram divulgados. Segundo informações do MP, a “Operação Alcateia” é fruto de Procedimento Investigatório Criminal que apura graves delitos praticados por um grupo criminoso composto, principalmente, por policiais militares lotados no 20º Batalhão de Polícia Militar (BPM/Paulo Afonso), sob o comando de um oficial de alta patente da corporação. Com base nesses indícios, de acordo com o Ministério Público, a 1ª Vara Crime, Júri, e Execuções Penais da Comarca de Paulo Afonso aceitou o pedido de prisões temporárias de seis policiais militares, buscas e apreensões em casas dos investigados e batalhões da Polícia Militar. Além disso, conforme o órgão público, foi acatado o pedido de afastamento cautelar das funções públicas do tenente-coronel pelo período de 180 dias, cumulada com proibição de acesso às dependências de todas as unidades da Polícia Militar, comunicação com outros membros da Corporação e de utilização dos serviços da Instituição Militar. O G1 entrou em contato com o MP que informou que, até a publicação dessa reportagem, pelo menos um dos mandados de prisão temporária já tinha sido cumprido. A Operação do Ministério Público conta com o apoio operacional do Gaeco do Ministério Público do Estado de Pernambuco, da Corregedoria Geral da SSP, da Corregedoria da Polícia Militar, da Polícia Civil (COE), do Batalhão de Choque da Polícia Militar, do DPT, bem com da Polícia Rodoviária Federal (PRF), por meio da Superintendência Regional na Bahia.(G1-BA)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *