Fiscalização do MPT sem diálogo nos campos de sisal pode provocar milhares de desempregados, alerta deputado

O deputado estadual e líder do PSD na Assembleia Legislativa da Bahia, Alex da Piatã (PSD), em um discurso em evento de campanha eleitoral em Conceição do Coité, externou a sua preocupação com a fiscalização ferrenha do Ministério Público do Trabalho (MPT) sobre os trabalhadores do ramo de sisal. O político afirmou que é necessário um diálogo profundo de antemão para não prejudicar uma cadeia produtiva forte na região norte e nordeste da Bahia, cujo risco de um colapso que culmine em milhares de desempregados é iminente. “Recebi centenas de ligações de uma ação do MPT, principalmente no sertão na região de Jacobina, mas que nos interessa em Conceição do Coité. O MPT está fiscalizando muitos produtos, fazendas e recolhendo motores, notificando e aplicando multas vultuosas. Reconhecemos e sabemos que a justiça está fazendo seu papel. Não estou aqui falando contra o Ministério Público. Nossa preocupação é que milhares de trabalhadores estão ficando desempregadas e não vão ter como comprar o pão de cada dia. Estão parando os motores de uma hora para outra sem fazer nenhuma discussão”, disse.

Foto: Divulgação

O político defendeu que o assunto não seja tratado de maneira genérica, pois milhares de pessoas já estão dentro de casa sem perspectiva de fazer a sua feira. “Isso vai refletir na região do Sisal, pois o sisal de lá vem pra cá. Essa ação vem para aqui também. O meu alerta, meu pedido, inclusive já liguei para outras autoridades do legislativo e executivo do Estado, da União, possa sentar com o MPT para encontrarmos um caminho e não tenhamos essas famílias desempregadas”, alertou. A fiscalização acontece meses depois do programa Repórter Record Investigação ter visitado cidades do interior da Bahia, cuja reportagem denunciou situações como trabalho infantil, trabalho em condições análogas à de escravo, maquinário desprotegido e acidentes de trabalho no campo do sisal.(Calila Notícias)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *