Detentas imigrantes nos EUA tiveram úteros retirados sem permissão, denuncia enfermeira

Detentas de um centro para imigrantes clandestinos em Irwin, na Geórgia (EUA), podem ter sofrido cirurgias irregulares para a retirada completa ou parcial de seus úteros. A denúncia foi feita por uma enfermeira que trabalhava no local, e será apurada pelas autoridades migratórias e parlamentares dos Estados Unidos. De acordo com o G1, a denunciante, que se identificou como Dawn Wooten, afirma que um ginecologista era responsável pelas histerectomias em massa. O centro também se recusava a fazer testes da Covid-19 nos imigrantes que estavam presos no local. Segundo a enfermeira, “muitas disseram que não entendiam o que estava sendo feito com elas. Ninguém explicava”. Presidente da Câmara, a deputada Nancy Pelosi deixou claro seu repúdio à situação. “Se for verdade, as condições horríveis descritas são uma violação assustadora dos direitos humanos”, afirmou ela, por meio de nota. Por outro lado, o Serviço de Alfândegas e Imigração (ICE) dos EUA nega as irregularidades. Segundo a diretora médica do ICE, Ada Rivera, o centro em questão só realizou duas cirurgias para retirada de útero desde 2018, e ambas tiveram aprovação após exames. A empresa LaSalle Corrections, responsável pelo centro da Geórgia, repudiou, em nota, “as denúncias e qualquer suspeita de má conduta”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *