PRF deflagra Operação Azulão e flagra crimes ambientais na região de Ribeira do Pombal

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) segue firme no enfrentamento e combate a atividades criminosas que degradam o meio ambiente e deflagrou nesta segunda-feira (20) a Operação Azulão que tem como foco coibir a caça predatória, o tráfico e a criação ilegal de animais silvestres.

As ações estão concentradas na região nordeste da Bahia, principalmente, nos municípios que compreende a região de Ribeira do Pombal, Cipó, Olindina, Nova Soure, entre outros.

Durante o primeiro dia das atividades foram resgatados 42 aves silvestres e 03 pássaros exóticos de várias espécies. Muitas aves estavam acondicionadas em gaiolas sujas com fezes e sem água, demonstrando total falta de cuidado e maus tratos.

Os infratores foram identificados e responderão na Justiça Criminal pelos crimes ambientais previstos da legislação pertinente. Ao todo foram lavrados 11 (onze) Termos Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e também foram promovidas ações de conscientização e educação ambiental.

Os animais foram encaminhados para órgão ambiental local onde receberam os cuidados dos profissionais veterinários. Aqueles que estiverem em condições de retornar ao seu habitat natural serão destinados à soltura. Já os mais debilitados passarão por um processo de tratamento e reabilitação.

O retorno ao habitat natural nem sempre é um processo rápido. Muitas vezes os animais precisam de maiores cuidados veterinários, pois são vítimas de maus tratos e apresentam lesões provenientes da captura ou estão bastante debilitados por conta da má alimentação no cativeiro. Além de tratar a saúde, os animais precisam muitas vezes reaprender algumas funções básicas como voar e buscar seu alimento na natureza.

A PRF realiza com frequência ações relacionadas ao tráfico de animais silvestres tanto pelo fato da Bahia apresentar uma grande diversidade da fauna brasileira como pelo fato do estado ser a principal rota entre a região Sudeste e os demais estados do Nordeste.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *