Covid-19: segunda onda na China sugere mutações no vírus

Depois de ser o epicentro inicial da pandemia e controlar a crise com lockdowns extremos, a China agora está enfrentando uma segunda onda de casos de Covid-19, desta vez no nordeste do país. As provínciais de Heilongjiang  e Jilin já registraram novos casos de transmissão comunitária, o que fez com que governos locais decretassem medidas de isolamento social na região, mesmo que os números sejam bem menores dos registrados na província de Hubei no início da pandemia. Mais de 100 milhões de pessoas vivendo no nordeste do país estão sob algum tipo de restrição de movimento, segundo estimativas. Mas, mais do que uma nova preocupação para o país, essa segunda onda pode revelar detalhes importantes sobre a evolução do SARS-CoV-2. Isso porque os novos casos registrados estão sendo substancialmente diferentes dos observados em Wuhan, o que sugere mutações no patógeno. As constatações vêm de médicos do país que acompanharam tanto o surto inicial quanto os mais recentes. Segundo Qiu Haibo, um dos principais médicos de cuidados intensivos da China que ajudou no surto de Wuhan e agora atua no nordeste do país, os novos pacientes parecem carregar o vírus por mais tempo. Eles levam mais do que duas semanas para apresentar sintomas, também demora mais para testar negativo – e curados. Isso dificulta o trabalho de rastrear os casos e impedir a transmissão, já que aumenta o tempo que uma pessoa pode levar o vírus adiante, mesmo sem sintomas. Além disso, os próprios sintomas são diferentes. Enquanto em Wuhan vários pacientes tinham órgãos como rins, coração e intestino afetados, os novos casos parecem ter quadros mais focados em danos aos pulmões, inclusive mais severos do que os do início da pandemia. Por outro lado, menos pacientes graves – cerca de 10% – chegam ao estágio crítico da doença e precisam de entubação. Ou seja, menos gente chega ao pior estágio da doença, mas quem chega enfrenta um vírus mais agressivo. Além disso, a febre – um dos principais sintomas citados como indício da doença – já não está tão presente como nos casos iniciais, enquanto a dor de garganta e a sensação de um mal estar geral integram agora a lista dos mais comuns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *