Três filmes de diretoras jacuipenses são selecionados em festival de cinema

As jornalistas jacuipenses Hilza Cordeiro e Polyane Oliveira tiveram três filmes selecionados para exposição no To’kaya Festival de Cinema, evento que reunirá produções audiovisuais sobre a região sisaleira da Bahia. Os vídeos escolhidos para a mostra retratam a cultura e as histórias de vida de pessoas de Riachão do Jacuípe e serão transmitidos em praça pública em Conceição do Coité, junto com outros filmes, assim que a pandemia passar. Os filmes selecionados foram os documentários Por Palavras e Ramos, dirigido por Polyane, e também Show do Tio Lio e Zé Cinderela — O Último Sapateiro de Riachão, ambos de autoria de Hilza.

Atualmente, Polyane vive em Feira de Santana e é repórter cinematográfica e editora de vídeos na Faculdade Anísio Teixeira. Já Hilza Cordeiro é repórter do Jornal Correio, mora em Salvador e mantém o projeto digital Memorial Jacuipense. Em Por Palavras e Ramos é apresentado o ofício místico de rezadeiras e benzedeiras de Riachão do Jacuípe e São Gonçalo dos Campos. Cultura trazida pelos povos africanos na época da colonização do Brasil, essa prática se perpetuou oralmente, passando de pai para filhos, de geração a geração. O curta-metragem, produzido em 2015, é sensível ao mostrar a importância das habilidades e saberes de cada uma das histórias vividas por seus personagens: Seu Luiz Santana e as Donas Florizete Félix, Terezinha Leite, Firmina Ferreira e Maria Oliveira. Já o filme Show do Tio Lio conta a história da matinê infanto-juvenil que era a atração mais esperada dos fins de semana entre as décadas de 1980 e 1990 em Riachão.  Inspirado no Programa da Tia Arilma, líder de audiência da TV Itapoan, o evento contava com brincadeiras e apresentações de calouro que animavam as tardes no Clube Lira 8 de Setembro e transformava crianças em verdadeiras artistas mirins. As memórias dessa época de ouro são contadas pelo agitador cultural Amarílio Soares (Tio Lio), a artista Esmeralda Soares, e as primas Élita, Leila e Marta Guimarães.

Na fotorreportagem Zé Cinderela — O Último Sapateiro de Riachão, o famoso senhor José Santino da Costa conta, em primeira pessoa, como aprendeu seu ofício e traz à tona as preocupações sobre a continuidade do serviço de conserto de sapatos na cidade quando ele já não estiver mais presente em vida. O sapateiro ainda descreve as suas ferramentas de trabalho e traz questões que levam à reflexão sobre a produção em massa na indústria.

To’kaya Festival de Cinema
Este festival surge numa ousada tentativa de estimular o cinema no território do sisal, que há muito tem estado fora do circuito de exibição cinematográfica do Brasil. A ideia é botar a cadeira, chamar amigo, parente e aderente e desfrutar de uma sessão. O cinema é uma das possibilidades disponíveis de criamos nossas próprias histórias e discutirmos sobre nosso povo.

Assista aos três filmes

Hilza Cordeiro – Reportagem / Jornal Correio*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *