Pandemia não deve prejudicar desempenho do PIB do agro, diz Cepea

A pandemia causada pelo novo coronavírus não deve prejudicar fortemente o desempenho o PIB do agronegócio brasileiro, afirmou o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), através de relatório divulgado nesta terça-feira, 14. Na segunda edição de especial temático de “Coronavírus e o Agronegócio”, pesquisadores do Cepea, da Esalq/USP, avaliaram os principais impactos da pandemia de coronavírus sobre o PIB do agronegócio e o mercado de trabalho do setor. Até o momento, pesquisadores do Cepea esperam um desempenho satisfatório no PIB do agronegócio, sobretudo da agropecuária – havendo, portanto, grande disparidade com a economia em geral, cujas projeções de desempenho pioram dia a dia. E essa perspectiva positiva do Cepea para o PIB do agronegócio, por sua vez, está fundamentada no dólar elevado, que impede a completa transmissão da provável queda dos preços internacionais diante do desaquecimento da demanda global, nas boas perspectivas em termos de preço e produção para grandes culturas, como grãos e café e para os complexos das carnes, e na baixa elasticidade-renda de produtos alimentares essenciais. As pressões negativas sobre o PIB do agronegócio também podem vir das indústrias de laticínios e de biocombustíveis; no primeiro caso, pelo maior valor agregado para um produto alimentar, e no segundo, pelo cenário extremamente crítico tanto por causa da fraca demanda interna durante o período de isolamento quanto devido à queda nos preços do petróleo. Pesquisadores do Cepea indicam que os impactos dos efeitos da pandemia de coronavírus sobre a situação do mercado de trabalho são preocupantes. Isso porque grande parte das ocupações refere-se a estabelecimentos de menor porte e de setores que provavelmente serão mais afetados pela crise. De acordo com o centro de estudos, muitos empregos estão concentrados em estabelecimentos agropecuários, agroindustriais e de agrosserviços de menor porte. Assim, enquanto alguns em situações financeiras mais delicadas já sofrem no período de isolamento social, outros sairão desse período para lidar com uma demanda interna pouco aquecida e com a necessidade de pagar pelos créditos tomados para manter o negócio durante a pandemia. “Em termos setoriais, as perspectivas de impacto da crise são ruins para muitas atividades agropecuárias e agroindustriais que são grandes geradoras de postos de trabalho. Neste caso, pesquisadores do Cepea destacam as diversas atividades da horticultura, a floricultura, a produção de leite e indústria de laticínios, as indústrias de móveis e as relacionadas a vestuário”, afirmou a entidade. A gravidade da situação vai depender da duração desse momento de restrições mais severas à mobilidade e da efetividade das ações do governo, seja de apoio aos empregados (para garantia de renda e logo, demanda) ou às empresas. “É preciso reforçar, finalmente, que, na atual conjuntura marcada por enormes incertezas, qualquer perspectiva formada também é bastante incerta. Um agravamento além do esperado da crise do coronavírus no Brasil e no mundo, assim como um alcance aquém do esperado das políticas de apoio pelo governo brasileiro, pode comprometer o desempenho do PIB do agronegócio, mesmo com o câmbio favorável, e deteriorar ainda mais a situação do mercado de trabalho”, diz o relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *