Enfermeira brasileira viaja países pobres cuidando de crianças com HIV

Natural de São Caetano do Sul, no Grande ABC, em São Paulo, Rebecca Alethéia, de 34 anos, viaja o mundo desde 2017. Mas ela conta que a paixão por ajudar começou bem antes, em 2009, quando atuava com crianças e adolescentes vivendo com HIV/AIDS, no primeiro emprego dela, na cidade vizinha de Mauá. Direto da África, onde se encontra atualmente, ela disse que já perdeu a conta de quantas crianças atendeu. “Estou viajando como enfermeira ao redor do mundo há 3 anos. Passei pelo TadjiquistãoMoçambique e agora estou no Malawi auxiliando em um projeto da Community Forum (COFO) juntamente com a Worldpackers”, disse. Rebecca ouve das crianças verdadeiras súplicas pela cura de pais e avós. Entre as histórias que mais tocaram o coração da brasileira está a da menina ‘Aline’. Depois de acompanhar um evento de prevenção de HIV/Aids em uma escola a garota perguntou: “se eu nunca tive relação sexual, nunca usei droga, como essa doença veio parar no meu corpo?”. A pergunta fez Rebecca refletir sobre a realidade da mulher diagnosticada com HIV. Como voluntária, Rebecca vive um dia após o outro. “Na atual viagem, utilizo dos meus recursos próprios. Tenho que arcar com tudo, transporte… porém, como estou oferecendo meu trabalho, recebo alimentação e hospedagem em troca, um jeito de ambos se ajudarem”, afirma. Rebecca Alethéia segue no Malawi. Ela está na África desde janeiro de 2019 e volta ao Brasil no dia 23 de abril. (SNB)